Guia completo da indústria 4.0

Guia completo da indústria 4.0

Última atualização realizada em 12/01/19.

Guia completo da industria 4.0 para melhor entendimento no cenário que vivemos hoje.

 

Indústria 4.0: entenda o que é a quarta revolução industrial e como ela vai impactar diretamente na sua empresa e cotidiano.

A mudança de paradigma que está transformando a forma como consumimos e nos relacionamos. A partir de sistemas cyber-físicos, internet das coisas e internet dos serviços, os processos de produção tendem a se tornar cada vez mais eficientes, autônomos e customizáveis. A indústria 4.0 trará certamente muitos impactos positivos. No ambiente industrial, a competitividade em nível global. No caso do Brasil é não perder o time e competir com o resto do mundo em condições de igualdade.

Um erro muito grande que os pequenos empresários interpretam é que a mudança tecnologia ou a indústria 4.0 é só uma adoção de novas tecnologias. Ela é uma mudança do cenário econômico, uma mudança de estratégia de posicionamento e comportamental. Essa transformação, no nosso entendimento, é muito grande. Em alguns setores, ela já acontece claramente. Em outros ela vai afetar indiscutivelmente. Não é uma questão de “se” ou “não” vai afetar, mas de “quando” e “o impacto que isso vai gerar”.

Conheça nesse artigo um pouco mais sobre a indústria 4.0:

 

O que é indústria 4.0?

A indústria 4.0 é caracterizada pela integração das diversas tecnologias, tanto digitais como físicas. Onde os mundos virtuais e físicos se fundem através da internet. Em outras palavras, tudo dentro e ao redor de uma planta operacional (fornecedores, distribuidores, unidades fabris, e até o produto) são conectados digitalmente, proporcionando uma cadeia de valor altamente integrada e controle absoluto do início da fabricação até ao usuário final.

Estamos falando do ponto de vista de analytics, computação cognitiva, de robótica, de IoT. Todos esses conjuntos que fazem a transformação para a indústria 4.0. O entendimento da quarta revolução industrial é muito mais do simplesmente tecnologia. Ela passa por um novo mindset, por uma nova condição de interpretar o negócio tecnológico.

Essa nova fase será impulsionada por um conjunto de tecnologias disruptivas como robótica, inteligência artificial, realidade aumentada, big data (análise de volumes massivos de dados), nanotecnologia, impressão 3D, biologia sintética e a chamada internet das coisas, onde cada vez mais dispositivos, equipamentos e objetos serão conectados uns aos outros por meio da internet. A quarta revolução industrial não se define por cada uma destas tecnologias isoladamente, mas pela convergência e sinergia entre elas.

 

Como surgiu o termo indústria 4.0?

Buscando recuperar a participação no valor agregado da indústria global, em 2011 na Feira de Hannover (Alemanha), um novo conceito surgiu, como parte da estratégia do governo alemão para o desenvolvimento de alta tecnologia para a manufatura do país. Nasceu assim o termo Indústria 4.0.

Seus conceitos foram lançados oficialmente em 2013 por um documento da ACATECH (Academia Nacional de Ciência e Engenharia da Alemanha). O principal objetivo do governo alemão estava na preocupação de não perder a liderança da sua indústria no comércio mundial. A atenção era voltada não apenas aos concorrentes da Ásia, mas aos EUA, que representavam diretamente uma ameaça para a indústria alemã.

 

O que distingue a quarta das outras revoluções:

Mesmo quem não trabalha diretamente nas indústrias inteligentes e automatizadas tem sua vida impactada pela quarta revolução industrial. Estamos experienciando novas formas de consumo, maneiras particulares de se relacionar com produtos e, por consequência, com as outras pessoas. Novos empregos estão substituindo velhas atividades.

  • Velocidade, amplitude e profundidade
  • A fusão de tecnologias e a interação entre os domínios físicos, digitais e biológicos

 

Inovações tecnológicas em curso:

Imagine suas ideias mais ousadas para a empresa sendo representadas livremente na linha de produção. Pense em controlar e monitorar todos os setores da fábrica no Brasil estando em qualquer parte do mundo. Trabalhar lado a lado com robôs, ver processos que começam e finalizam sozinhos, ter acesso à análises automáticas de dados avançados de todos os setores. Estas tendências tecnológicas ficam cada vez mais perto da indústria nos próximos anos. Listamos abaixo as principais tecnológicas que vão drivar o mercado nos próximos anos. Confira nossa lista!

  • Inteligência artificial
  • Robótica
  • Internet das coisas
  • Veículos autônomos
  • Impressão em 3D
  • Nanotecnologia
  • Blockchain
  • Análise aumentada (augmented analytics)
  • Gêmeos digitais
  • Biotecnologia
  • Armazenamento de energia e computação quântica

 

seta Conheça como são fabricadas nossas hélices híbridas de alta homogeneização.

 

Os objetivos com os benefícios esperados:

A indústria 4.0 trará certamente impactos positivos. No ambiente industrial, em primeiro lugar: a competitividade em nível global. No caso do Brasil é não perder o time e competir com o resto do mundo em condições de igualdade.

• Atender as exigências de clientes individuais (personalização).
• Flexibilidade na produção
• Tomada de decisão otimizada
• Produtividade e eficiência dos recursos
• Resposta às mudanças demográficas no ambiente de trabalho
• Diminuição dos custos
• Controle absoluto de cada etapa de produção
• Máquina e equipamentos com maior longevidade
• Custo baixo com mão de obra especializada
• Nível baixo de erros/falhas humanas
• Monitoramento de atividades 24 horas

 

Seis requisitos para implementar a indústria 4.0

Segundo o estudo alemão da Technische Universitat Dortmund

I) Interoperabilidade, permitindo que todos os CPS de uma fábrica ou ambiente industrial, mesmo que descendentes de diversos fornecedores, possam se comunicar através das redes;

II) Virtualização, possibilitando que os dados obtidos dos CPS nos produtos e equipamentos físicos sejam transmitidos aos modelos virtuais e em simulações, espelhando comportamentos reais no ambiente virtual;

III) Descentralização dos controles dos processos produtivos, uma vez que os computadores embarcados em conjunto com a internet das coisas gerarão produtos com tomadas de decisões na manufatura e nos processos de produção em tempo real;

IV) Adaptação da produção em tempo real, uma vez que os dados serão analisados no instante em que são coletados, permitindo que a produção seja alterada ou transferida para outros silos em caso de falhas ou na produção de bens customizados;

V) Orientação a serviços. Dados e serviços serão disponibilizados em rede aberta, tornando a Internet of Service ainda mais robusta. Dessa forma, a customização de processos de produção e operação terá maior flexibilidade de adaptação de acordo com as especificações dos clientes.

VI) Sistemas modulares dos equipamentos e linhas de produção tornarão as fábricas mais flexíveis e adaptáveis às alterações necessárias.

Todos esses insumos para a Indústria 4.0 podem ser arrumados em quatro fases que, concatenadas, proporcionam aumento de valor em um círculo virtuoso.

 

As bases da Indústria 4.0

A Indústria 4.0 baseia seu desenvolvimento e implementação em algumas premissas que podem traduzir os sistemas de produção inteligentes que surgirão. Seu fundamento básico implica que conectando máquinas, sistemas e ativos, as empresas poderão criar redes inteligentes ao longo de toda a cadeia de valor que podem controlar os módulos da produção de forma autônoma.

A integração de ponta a ponta com coleta, análise e disponibilização de informações relevantes ao negócio reduzirá o ciclo produtivo, aumentará a confiabilidade no sistema e permitirá que a cadeia fornecedor, fabricante e cliente torne-se uma única via para geração de valor. São elas:

A capacidade operacional otimizada
Propõe o recebimento e análise de dados a uma velocidade jamais vista;

A virtualização das informações
A criação de uma cópia virtual das fábricas inteligentes que permite o rastreamento e monitoramento remoto de processos;

A orientação a serviços
Software orientados por serviços ligados ao Internet of Services.

A modularidade:
Flexibilidade para a modificação de tarefas de dispositivos com maior facilidade.

 

Conheça as 4 revoluções industriais:

Primeira (entre 1760 e 1840): máquina a vapor, ferrovias;
A primeira revolução industrial, que surgiu na Inglaterra no fim do século XVIII, mudou o paradigma mundial por acelerar este processo, que era totalmente artesanal, a partir do uso de carvão, vapor e ferro. A produção atingiu patamares nunca antes vistos na época. Os britânicos tornaram-se a principal potência mundial por conseguir produzir de forma barata e rápida produtos em todos os setores.

Segunda (final do séc. XIX): advento da eletricidade e da linha de montagem;
A segunda revolução industrial ocorreu em meados do século XIX e teve como protagonistas a eletricidade, a química e o petróleo. O período foi marcado pela massificação da manufatura, e do desenvolvimento de tecnologias como o avião, refrigeradores, alimentos enlatados e os primeiros telefones.

Terceira (década de 60): revolução digital ou do computador;
A terceira revolução industrial, por sua vez, é algo mais próximo das gerações atuais. A partir da segunda metade do século XX, a informação se tornou uma importante matéria prima. Os primeiros computadores surgiram e aumentaram a velocidade para se realizar qualquer processo de desenvolvimento científico. Portanto, revolucionou os avanços em todas as áreas do conhecimento. Desde a manipulação atômica até a tecnologia espacial só foram possíveis com o auxílio de um maquinário digital inovador.

Quarta (virada do século): inteligência artificial, robótica, internet das coisas, veículos autônomos, impressão em 3D, nanotecnologia, biotecnologia, armazenamento de energia.
A partir desta enorme quantidade de dados, o algoritmo da startup cria uma cópia virtual da fábrica para realizar testes. A seguir, um plano otimizado é gerado para aplicação na linha de montagem. “Este plano dita tudo que acontece dentro da fábrica. Planeje bem e a fábrica será lucrativa, ou planeje mal e a mesma fábrica pode entregar produtos com atraso, gastar dinheiro desnecessariamente em equipamentos e, assim, acabar com a sua margem”

 

 

Fotos da transformação na indústria desde os anos 50:

Indústria na era 4.0 e totalmente automatizada

Indústria anos 90 e 2000

Indústria anos 70

Indústria nos anos 50, fordista.

 

 

Conheça os impactos positivos no seu processo de fabricação baseados na indústria 4.0 utilizando as smart hélices.

Ligue para mim, e constate que investir em hélices corretamente dimensionadas é vantagem competitiva.

Me chame no whatsApp: (11) 94984-2894 ou envie um email: henrique@sohelices.com.br.

Um Abraço e espero seu contato!

Henrique Linhares (Gerente de Vendas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *